Transtorno de estresse pós-traumático: sentindo as consequências

Transtorno de estresse pós-traumático: sentindo as consequências

Charles H. Elliott e Laura L. Smith

Tragicamente, estupro, guerra, terrorismo, acidentes, brutalidade, tortura e desastres naturais fazem parte da vida. Você ou alguém que conhece pode ter passado por um trauma. Ninguém sabe ao certo por que, mas algumas pessoas parecem se recuperar desses eventos sem sintomas incapacitantes, enquanto muitas outras sofrem consideravelmente após sua tragédia, às vezes, por toda a vida. O transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) às vezes resulta de tais choques.

O trauma causa, frequentemente, pelo menos algumas reações emocionais e/ou físicas incômodas que passam a ocorrer com a pessoa durante algum tempo. Essas respostas podem aparecer imediatamente após o desastre ou, às vezes, surgem anos mais tarde. Esses sintomas são a maneira com que o corpo e a mente lidam com o que aconteceu e o processam. Se um evento extremamente infeliz ocorre, é normal reagir de maneira intensa.

Você pode ter TEPT se vivenciar ou presenciar um evento que perceba como potencialmente fatal ou que cause ferimentos graves e o faça sentir terror, horror ou impotência. A fim de ter um diagnóstico de TEPT, é preciso que ocorram três tipos de problemas:

Você revive o evento de uma ou mais maneiras:

Tendo memórias indesejadas ou flashbacks durante o dia ou em sonhos

Sentindo que o trauma está acontecendo novamente

Experimentando reações físicas ou emocionais quando se lembra do evento

Você evita qualquer coisa que o faça se lembrar do trauma e tenta suprimir ou entorpecer seus sentimentos de várias formas:

Tentando parar de pensar ou de falar sobre o evento, porque fica perturbado

Quando se lembra do que aconteceu

Ficando longe de pessoas ou lugares que o fazem se lembrar do trauma

Perdendo interesse pela vida ou se sentindo distante das pessoas

Sentindo de alguma forma que você não tem um futuro longo

Sentindo-se entorpecido ou afastado

Você se sente cauteloso e agitado de várias maneiras:

Assustando-se com mais facilidade

Perdendo a paciência rapidamente e sentindo-se irritado

Sentindo-se incapaz de se concentrar tão bem quanto antes

Dormindo mal

O diagnóstico do TEPT é complicado. Se você suspeita que possa tê-lo, deve procurar ajuda profissional. Por outro lado, você pode perceber que tem alguns sintomas, mas não o diagnóstico completo. Se assim for e se seu problema parece brando e não interfere na sua vida, você pode querer tentar resolvê-lo por conta própria, durante algum tempo. Mas procure ajuda se você não se sentir melhor após um curto período.

O exemplo de Victor ilustra como é viver com TEPT. Victor luta diariamente contra seus demônios.

Victor estava atrasado para o trabalho. Ele começou a longa jornada de seu carro para seu escritório no Pentágono e ouviu o alto motor de uma avião bem acima. Ficou chocado ao ver quão baixo o avião estava voando. Quando deu por si, havia sido jogado ao chão por uma forte explosão e uma rajada de vento. Ele se lembra de pessoas correndo para fora do prédio, gritando e chorando, e de alguns feridos. Victor não consegue se recordar muito dos detalhes daquele dia. Ele foi informado de que o fato de ter chegado atrasado certamente salvou sua vida. Muitos amigos e colegas de trabalho não tiveram a mesma sorte.

Victor acredita que deveria ser mais grato, pois se machucou um pouco, fisicamente. Porém, seus ferimentos emocionais foram extensos. Victor tem problemas para dormir e tenta bloquear as lembranças daquele dia horrível, mas elas parecem inundar seu cérebro. Ele não consegue se concentrar e sente que está em outro mundo, separado dos outros. Isso o impediu de continuar indo trabalhar e fez com que se aposentasse prematuramente.

Victor tem TEPT. Como ocorre com muitas outras pessoas que têm o transtorno, ele testemunhou um acontecimento horrível com que sua mente não sabe como lidar. Muitos veteranos de guerra que retornam do serviço ativo sofrem de TEPT. O tratamento pode ser muito eficaz.