O sabor das palavras

O sabor das palavras

Flávio Hastenreiter

A palavra é sentido. É a transmutação de pensamentos e sentimentos. É vida, vivido, transição. A palavra têm cheiro e sabor. Ela enxerga, ela nos toca. Infunde sensações com infinitas descrições. Através dela damos sentido às coisas, damos sentido ao sofrimento, caso contrário, nosso desespero pode chegar ao extremo suicídio. O sentido que damos às coisas se passa através da palavra, mesmo silenciada. É necessário dizer algo para que isso possa existir? Saber lidar com a palavra é a sabedoria do entendimento de si, dos outros e do mundo. É através dela que podemos compartilhar algo com alguém. Às vezes, somos ouvidos quando calamos. Calar também é uma forma de dizer algo. Silencio o palavreado, mas não o sentir. O silêncio não é um vazio, ele é cheio de sentido. O que está em jogo é aquilo que pensamos e sentimos. Nos comportamos através da forma como percebemos o sentido das coisas. Não temos como escolher o que os outros têm a nos dizer, mas podemos escolher como nos posicionar a respeito do que nos dizem. Se a palavra possui tantos sentidos, que saibamos escolher qual sabor iremos dar às nossas palavras. Podemos escolher se iremos proporcionar o bom gosto ou dissabor de quem nos ouve. Assim como, podemos escolher qual será o sabor da nossa escuta. Saber escutar é o ato supremo da compreensão. A boa escuta são os olhos do coração e um olhar pode significar muitas palavras, para além da visão.